Leia:

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Ser criança






 Quando me sentei no banco da praça, cansada pela caminhada de quinze minutos, foi inevitável não apreciar a alegria e a vitalidade das crianças logo a minha frente. Como pulavam, dançavam e riam, de quase tudo e ao mesmo tempo. Caiam, ralavam o joelho, choravam por uns cinco minutos e retornavam a brincar. Por alguns minutos ali naquela praça, ouvindo o riso descontraído daquelas crianças, pude finalmente lembrar de como tudo era simples nessa idade. De como os sonhos pareciam reais e alcançáveis, como eu podia ser tudo o que imaginasse, sem medo. Bailarina, cantora, médica ou espiã. Acho que todo adulto deveria voltar a ser criança por um dia, só para lembrar que se você acreditar, você alcança.

Ser adulto exige responsabilidade, maturidade e por favor: nada de infantilidade.. Porque quando você cresce, algo lá dentro, a criança saltitante que sonha em ser tudo e mais um pouco, vai morrendo, lentamente e gradativamente.

E crescemos. Crescemos e nos tornamos adultos e isso é tão natural, que quase nem percebemos. É tão normal que esquecemos gradualmente como éramos pequenos e indefesos, como éramos felizes com a simplicidade. Que o  dinheiro era apenas papel e no final, tudo ficaria bem e feliz.

Acho que o segredo está no que dizemos as crianças, no que fazemos elas acreditarem. Nós mostramos a magia que perdemos, e fazemos elas acreditarem no conto de fada, no papai noel, no príncipe encantando e nos finais felizes. Escondemos delas a violência, a maldade, a mentira, a realidade.

E as crianças crescem acreditando que o bem vence o mal, mas sabemos que nem sempre é assim. O mal sempre vai existir. E quando elas percebem que o mundo não é exatamente assim como acreditavam, pode-se dizer que elas finalmente cresceram e se tornaram adultas. Mas antes disso vem o choque, e vem também a realidade trazendo essa enxurrada de medo e lágrimas, E é exatamente a realidade que vai forçar essas pequenas crianças indefesas a ser tornarem adultos e fortes.

Talvez se contássemos as crianças a verdade sobre a realidade que as cercam, elas não sofreriam tanto com essa ilusão. Mas talvez se contássemos as crianças isso, elas perderiam a simplicidade, a alegria e a magia, e deixariam de ser simples e doces, crianças.

O limite do pensamento




Talvez aqueles quinze minutos debaixo do chuveiro seja realmente para pensar. Ou aquela meia hora rolando pela cama antes de finalmente pegar no sono. O trajeto do ônibus, a fila do banco, o intervalo da faculdade, o silêncio do seu próprio quarto. Tudo foi feito para pensar, tudo que é feito foi pensado. Mas qual o medo por de trás de tantos pensamentos?

Desde quando algo tão natural, que surge quase espontaneamente, pode nos fazer tão mal? Como pode algo que vive dentro de nós mesmo, que parece ser tão pequeno e invisível, consegue, nem que seja por minutos, nos colocar medo e angústia? Pensar demais é um grande problema.

É incrível como sua própria mente pode aprisionar o seu próprio corpo. É fantástico e ao mesmo tempo assustador, como seus pensamentos podem se prender, te enlaçar e te jogar no fundo do poço. Pensar é um dom extraordinário dado a nós - humanos - mas tudo que é demais tem suas consequências.

''Açúcar é ótimo, mas na medida certa. Precisa controlar o sal na comida. É imprescindível pegar sol, mas se exagerar, algumas doenças e problemas poderão aparecer''. E é exatamente assim com os pensamentos: É fundamental pensar, mas quando seus pensamentos se viram contra você, é hora de colocar limites à eles.



domingo, 7 de junho de 2015

O palco da vida

(m83 - wait)


  Atrás da cortina do teatro, esperando ansiosamente que ela abrisse para que então, pudesse estrelar sua própria história. Vivendo atrás daquelas cortinas negras, imaginando sua própria peça. Pobre de si, que em vez de protagonizar a própria história, deixava os outros ditarem a sua própria vida. O medo faz as cortinas se paralisaram, que nem mesmo o vento do destino pode soprá-las. Usava aquela escuridão para se retrair, se esconder, se desfazer. É o palco da vida, enxerga-se negra as cortinas quem tem medo de viver intensamente. O medo do futuro, o receio pelo novo, faz as cortinas se fecharem cada vez mais, não restando nenhuma brecha para que entre a luz da oportunidade.


Agarre as cortinas com as mais longas garras criadas pela coragem. O medo é uma oportunidade disfarçada de obstáculo. Limitam-se os que não lutam, que não tentam, que não se superam. Dessa forma a oportunidade sempre se chamará MEDO.


                                                                                                               - Simara Miguel



sexta-feira, 10 de abril de 2015

Grande Caio Fernando Abreu

            
Vou te falar um lugar-comum desprezível, agora, lá vai: você não vai encontrar caminho nenhum fora de você. E você sabe disso. O caminho é in, não off.
Você quer escrever. Certo, mas você quer escrever? Ou todo mundo te cobra e você acha que tem que escrever? Sei que não é simplório assim, e tem mil coisas outras envolvidas nisso. Mas de repente você pode estar confuso porque fica todo mundo te cobrando, como é que é, e a sua obra? Cadê o romance? Você poderá enganar a alguns, mas não enganaria a si e, portanto, não preencheria esse oco. Não tem demônio nenhum se interpondo entre você e a máquina.O que tem é uma questão de honestidade básica. Essa perguntinha: você quer mesmo escrever? Isolando as cobranças, você continua querendo? Você só tem que escrever se isso vier de dentro pra fora, caso contrário não vai prestar, eu tenho certeza, você poderá enganar a alguns.
Clarice Lispector. Ela era infelicíssima. É esse tipo de criador que você quer ser? Então entregue-se e pague o preço do pato. Que, freqüentemente, é muito caro. Remexa na memória, na infância, nos sonhos, nas tesões, nos fracassos, nas mágoas, nos delírios mais alucinados, nas esperanças mais descabidas, na fantasia mais desgalopada, nas vontades mais homicidas, no mais aparentemente inconfessável, nas culpas mais terríveis, nos lirismos mais idiotas, na confusão mais generalizada, no fundo do poço sem fundo do inconsciente: é lá que está o seu texto. Sobretudo, não se angustie procurando-o: ele vem até você, quando você e ele estiverem prontos. Cada um tem seus processos, você precisa entender os seus. De repente, isso que parece ser uma dificuldade enorme pode estar sendo simplesmente o processo de gestação do sub ou do inconsciente.
E ler, ler é alimento de quem escreve. Várias vezes você me disse que não conseguia mais ler. Que não gostava mais de ler. Se não gostar de ler, como vai gostar de escrever? Ou escreva então para destruir o texto, mas alimente-se. Fartamente. Depois vomite. Pra mim, e isso pode ser muito pessoal, escrever é enfiar um dedo na garganta. Depois, claro, você peneira essa gosma, amolda-a, transforma. Pode sair até uma flor. Mas o momento decisivo é o dedo na garganta. E eu acho — e posso estar enganado — que é isso que você não tá conseguindo fazer. Como é que é? Vai ficar com essa náusea seca a vida toda? E não fique esperando que alguém faça isso por você. Você sabe, na hora do porre brabo, não há nenhum dedo alheio disposto a entrar na garganta da gente.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Sua raridade




Você conhece a pedra ametista?

Talvez não, ela não é tão conhecida como uma esmeralda ou um diamante. Mas você sabia que ela já foi tão valiosa quanto um diamante? Mas perdeu sua preciosidade a partir do momento que encontraram muitas pedras ametistas no Brasil.

Imagine que você seja essa pedra preciosa. Única, diferente e linda. Agora, de repente, você começa a se tornar igual a outra pessoa, imitando-a, deixando a sua diferença de lado pois a única coisa que parece importar você, é se encaixar em um padrão. Um padrão criado e valorizado pela sociedade.

A nossa preciosidade se encontra na nossa diferença. Por sermos únicos e diferentes do nosso modo. O nosso brilho é a nossa raridade; A nossa singularidade não se encontra em qualquer esquina, nem no outro lado do mundo. Seja você mesmo, seja excepcional.

Hoje em dia ser diferente é raridade. Seja essa raridade, se descubra, se conheça. Lide com suas diferenças, pois aceitando-as você não será mais um número na multidão. Já estamos circundados pela falsidade, pra que mentir pra si próprio?

A vida é um palco e você é o espetáculo principal da sua história. Retire as cortinas que escondem quem você é, e mostre o quão grandioso você será. Não deixe sua vida ser um teatro de mentiras. Faça da sua vida a mais pura verdade.

Você é o escritor da sua própria história. O único ator do palco da sua própria vida. Você é o único que pode lutar pelo seu sonho. Você é raro. Precioso. Diferente. Único.

Sua raridade não está naquilo que você possuí ou sabe fazer - Anderson Freire






quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Sonhos não são maiores que você


  Hoje olhei pela janela do meu quarto e me deparei com a imensidão do céu azul. Tão bonito. Parece infinito como o mar. Me senti um minúsculo grão de arroz. E na realidade somos quase tão pequenos quanto um grão de areia. Mas nossos sonhos parecem ultrapassar os limites, parecem maiores que o céu e tão imenso quanto o oceano. São sonhos, apenas sonhos. Mas deixam de ser sonhos para se tornar pesadelos, quando se deparamos com algo impossível de se alcançar. É isso que pensamos quando notamos o quão pequeno somos e como nosso tempo é curto para realiza-los. Aí ele deixa de ser sonho e desistimos na semana seguinte.


Temos que pensar que somos maiores que nossos sonhos. Mais corajosos que nossos medos. Mais fortes que nossa rotina. Mais rápidos que o nosso tempo. Só temos que pensar positivo para afastar tudo que é negativo. Sonhos foram feitos para deixarem de ser sonhos.



O seu sonho pode ultrapassar o maior arranha-céu do mundo, mas nunca poderá ultrapassar a sua força de vontade. O seu sonho pode ser tão grandioso quanto uma pedra preciosa, mas não deve ser tão grandioso quanto sua fé. Sonhos não foram feitos para ultrapassar você. Você que foi feito para ultrapassar seus sonhos.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Teatro do amor

Leia ouvindo https://www.youtube.com/watch?v=HNrgK8h2xBc - Use somebody
            


  Hoje em dia o amor não passa de uma encenação barata de um teatro mixuruca. Aqueles que não conseguem conquista-lo, tentam esquecer num bar de quinta categoria. Uns tentam comprá-lo, com falsas promessas. Outros gostam de encenar perfeitamente diante de todos, mas não conseguem encenar diante do parceiro. O beijo virou mensagem, o abraço virou ligação e o amor virou desculpa pra disfarçar a solidão. O eu te amo virou status de rede social e as fotos não servem mais como lembrança, apenas como uma postagem qualquer. As cartas viraram clichê, os buquês foram banidos e o compromisso não passa de um fingimento. Enquanto o copo de enche de Whisky, o coração se esvazia de sentimento.  

  Enquanto o cigarro se acende, o fogo do amor vai se apagando cada vez mais.
O amor está virando uma substituição. Estão deixando os problemas, a monotonia, a insegurança, o stress e a rotina interromper o tão fervoroso amor. Não se deve deixar qualquer coisa interromper a confiança e a afeição que um tem pelo outro. Pois uma vez interrompido, é quase impossível caminhar juntos pelo mesmo caminho. O amor não é um artefato para deixar em exposição, e nem é um disfarce para tampar nossos defeitos.

  As pessoas se esqueceram que o amor é o ato de sorrir sem motivo, de demonstrar sem sentir culpa. É deixar o coração falar por nós mesmo sem medo, sem receio.
Hoje em dia, quem quer amar, ama com medo. Ama com medo de ser machucado, de ter o coração pisoteado, ser literalmente decepcionado. Ama não querendo amar, ama sem se entregar por inteiro, ama com insegurança e aversão.

  Parece que o amor está virando uma fobia. Ele mata, mas só ele cura, ele destrói mas só ele e capaz de reconstruir, ele é cruel e ao mesmo tempo bondoso. As melhores coisas da vida, não podem ser tocadas, fotografadas e nem expostas, elas apenas são sentidas lá no fundo do coração.

  Entre flertes, cantadas e palavras jogados ao vento, o amor caí em esquecimento. Entre baladas, ficadas e bebedeira, o amor saí de foco. E entre tudo isso, fica cada vez mais difícil encontrar alguém que compartilhe um sentimento puro e verdadeiro.
Se comprometer com alguém, é ir e saber que quando voltar terá alguém te esperando com um lindo sorriso no rosto. 

                                                                                                   

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Ser mulher


Temos que nos amar, que nos aceitar. É a lei da vida, da aceitação. Se encontrar, antes de querer encontrar um outro alguém.
 A falta de amor próprio é algo repugnante. É um dos maiores motivos de infelicidade. A partir do momento que você se ama, você começa a ver o mundo de outra forma. Com outras cores, com outros amores.
 Se amar, independente do nosso peso, da nossa altura ou da nossa cor. Amar cada centímetro que desenha o nosso corpo. Amar até as linhas que marcam nossas faces, pois por trás delas estão um passado no qual é impossível esconder. Amar as curvas, o formato e até os pequenos defeitos. Amar todo o conjunto que nos torna mulher.
 Amar a cor e o jeito que nossos cabelos caem sobre os ombros. Cortar, repicar, pintar, fazer o que quiser, pois nós e só nós, somos donas do nosso corpo.
 Amar o seu corpo cheiinho que te torna essa mulher guerreira. Coma sem sentir culpa. Ignore que pra ser mulher precisa ter belas curvas e uma silhueta digna de revista. Se quiser mudar, mude. Mas que seja por você. Só por você.
 Amar seu corpo magrinho que te torna essa mulher delicada e feminina. Ignore que pra ser mulher precisa de um tamanho ideal de busto e de quadril. Se quiser mudar, mude. Mas que seja por você. Só por você.
 A mudança vem de dentro, e só depois transparece os resultados por fora. Mude seu hábitos. Sorria mais, ria mais, converse mais, viva mais. Sai do seu quarto, caminhe pelo seu bairro, vá a um jantar romântico, convide as amigas pra um cinema. Viva.
 Vista seu melhor vestido ou seu jeans surrado, abuse dos acessórios sejam eles na moda ou não, faça a maquiagem do seu gosto ou nem faça, porém exagere no batom vermelho. Calce um salto alto ou um tênis. Seja a mulher que você quer ser. Sem padrões, sem regras.

Aceite a forma do seu corpo. Aceite você antes de querer aceitar opinião alheia.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

O maior surto já registrado

       

  Em 2014 houve a maior epidemia já registrada pela humanidade, causada pelo vírus mais letal já conhecido. O surto do vírus que ocorreu e se alastrou por toda a África Ocidental deixou mais de 3.000 mortos. A situação foi extremamente preocupante, já que 50% a 90% dos infectados morreram.

  O mundo todo entrou em estado de choque quando pessoas suspeitas de possuírem a doença saírem de seu próprio país e migrarem para o continente americano. Depois de médicos americanos serem contaminados, o governo começou a tomar precauções contra a doença e o alastramento dela, fiscalizando a entrada de pessoas vindas de países com a doença. O que muita gente não sabe, é que para contrair a doença precisa ter contato direto com o sangue, suor ou sêmen do infectado, por isso é bem improvável que a doença se alastrasse mundialmente.

 Os sinais que a doença emite pelo corpo quando se é contaminado são parecidos com qualquer outro tipo de epidemia, como por exemplo: febre, diarreia, dor de cabeça, dores musculares e etc. Não há nenhum tipo de vacina ou cura para o ebola, o único meio de precaução é deixando os infectados e suspeitos isolados e em observação.

Quando acontece uma epidemia mundial como esta, o correto é fechar as fronteiras para que o surto  não seja mais agravante, que haja um preparamento específico de médicos e enfermeiros para lidar com um surto desde tamanho.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

A mulher moderna



  Atualmente o preconceito com as mulheres vem diminuindo drasticamente, e elas por sua vez estão se incluindo cada vez mais na sociedade, ocupando cargos e papéis importantes. Porém a luta pelos direitos iguais foi lenta e complicada, tanto é que o machismo ainda faz parte do nosso dia-a-dia. Muitos nomes importantes do sexo feminino dedicaram boa parte da suas próprias vidas para tornar real o que conhecemos hoje: igualdade entre os sexos.

  No último século muitas mudanças e leis entraram em vigor, como por exemplo, a lei Maria da Penha que veio com o intuito de alertar as mulheres e punir os agressores. Muitas mulheres ainda sofrem caladas, trancafiadas nas próprias casas ouvindo ameaças diárias e sentindo a dor das agressões físicas e morais vindas dos próprios conjugues. Mas desde 2006, quando a lei entrou em vigor, o número de agressões domésticas amenizou significadamente, o que torna uma vitória para todas as mulheres.

  Outro marco importante para a história feminina foi a candidatura de uma mulher como presidente da república. Não apenas isso, mas a disputa acirrada entre duas mulheres para este cargo na política, mesmo sendo mínima o número de mulheres que se elegeram. Isso seria motivo de gozação nos séculos passados, mas com muita luta e dedicação, a realidade se torna cada vez melhor.
  As mulheres estão se empenhando cada vez mais para ocupar cargos maiores e pararem de serem taxadas como domésticas e donas do sexo frágil.
  A verdade é que a mulher constituí boa parte da população mundial e essa estatística incentiva cada vez mais a luta pelos direitos igualitários.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Paranóia

                       
Alguns afogam suas mágoas e o que resta de seus corações partidos em goles generosos de um Whisky barato. Já eu, mergulho elas em uma folha de papel em branco. Alguns bebem para esquecer. Já eu, escrevo para lembrar. Escrevo para tornar eterno na folha, um sentimento tão puro.

Não adianta esvaziar o copo, pois existe um vazio imensurável em meu peito esta noite. Um vazio que não se preenche com bebida, nem com qualquer outra coisa supérflua. Se preenche com amor. Aquele amor que não vem pra dilacerar, mas que vem com entusiasmo e te faz entrar em êxtase. 

O amor é um grito de socorro. Um grito silencioso, ouvido por poucos, sentido por muitos. Um grito corrompido na maioria das vezes. Um grito sufocado, agoniado, prestes a explodir e deixar ferimentos aos próximos. Ouvi dizer que o amor não faz sofrer, não derrama lágrimas e não destrói. Ora, o amor não machuca. Então por que tens medo dele?

O amor é uma saída, mas para isso você precisa saber interpretar o mapa dele. Não ache que será uma estrada reta, sem declive, sem complicações, sem paradas necessárias, sem curvas acentuadas. Terá tantos relevos, que por vezes serão irrelevantes, mas é inevitável. Para chegar ao fim, precisa começar pela estrada certa. E a estrada certa, muitas vezes não é uma das melhores. 

Não sofremos convulsões, e mesmo parecendo por vezes, levar uma facada no peito, não sangramos. Mas sofremos por dentro. Não podemos titubear em relação ao amor. Meu Deus, nada de ficar numa corda bamba, se bandeando para um lado e para o outro. O amor é ter certeza. Se há incerteza, não é amor.

O amor é iminente. As veze dissimulado. Ele chega furtivamente, com ênfase e vai embora. Parti sem se despedir, sem se importar com os estragos. Mas passa. Tudo passa.

Francamente, o amor é tudo.

Esvaziar o copo e se sentir bem numa noite, é ótimo. Mas quem te garante que ao abrir os olhos de manhã, tudo estará bem?
Me importo muito para ainda escrever sobre esse tal de amor, que morre na primeira semana para uns e dura anos para outros. 

Nos tornamos céticos quando alguém nos fere bem naquele lugar que guardamos um tesouro precioso: o amor.


Sussurrava todas as manhãs no seu ouvido, minhas poesias que escrevia durante as noites olhando seu semblante impassível, dormindo ao lado da minha escrivaninha. Torcia para que o barulho da máquina de escrever não te tirasse dos teus sonhos.

Dizia ''O amor é o verso mais belo de uma poesia, é a melodia perfeita de uma vida. Garanto que será o farol que iluminará todos os meus dias, e nos dias turbulentos será minha maresia.''
E você acordava quando eu dizia as últimas palavras, com aquele sorriso radiante que competia com a luz do sol que invadia a nossa janela.

E quando tudo acabou e as poesias não se faziam mais presentes ao amanhecer, achei que a bebida e a fumaça do cigarro fossem eficazes para acabar com aquela solidão. Uma solidão feita de grades e não de apenas um vazio. Não há nenhuma estratégia engenhosa para abrir essa jaula maldita e fugir desse sentimento avassalador que me destrói. Por isso bebi. Bebi para esquecer. Mas o efeito da bebida passava no dia seguinte.

Somos insanos quando estamos querendo fugir deste sentimento. Naquele momento achava que estava ficando louca, que a paranoia tinha se formado em mim, mas ela sempre estivera ali calada e solitária, só precisou de uma brecha para fugir. E está fugindo aos poucos neste texto.


sexta-feira, 27 de junho de 2014

Quando termina.

         

  Quanto todas as fantasias terminam. Quando o sonho chega ao fim. Quando as expectativas acabam. Quando o amor é destruído. Quando as promessas são quebradas. Quando a penumbra da solidão se faz intensa em nossa volta. Quando as chances não existem mais. Quando o sentido se perde numa esquina qualquer. Quando tentamos afogar a solidão em um copo de Whisky. Quando vemos tudo desfocado em nossa volta. Quando as esperanças se desgastam com o tempo. Quando descobrimos que a rua que caminhávamos é sem saída. Quando o amor acaba, se esvazia tudo.

  Já esteve em meio a um pesadelo, mas sabia que no fundo era apenas mais um sonho e iria acordar ao amanhecer?
Já se sentiu aliviado ao acordar soando frio, depois de um pesadelo sombrio?
O ruim é quando o pesadelo não termina quando você acorda.

  É meu amigo, o tempo vai passando depressa. Ele corre diante dos nossos olhos. Com o tempo certas coisas que considerávamos importantes, vão perdendo a importância e se afastando. Por isso eu digo, deixa ir, deixa se afastar aquela pessoa que decidiu ir embora, sair da sua vida, caminhar em outra direção. Deixa ir. Deixa. O que é para ser fica, independente da tempestade lá fora, independente da dificuldade de um dia, do tormento de uma noite. Fica, independente de tudo. Não se preocupe, o que é para ser, vem. Vem com o tempo. E o tempo é determinado pela sua atitude nessa espera..

Somos feitos de amor e buscamos a vida inteira por um.


- Simara M.

sábado, 31 de maio de 2014

Carta de despedida


''Hoje ao entardecer me olhei no espelho. Vi as marcas da idade estampadas no meu rosto, cada linha me lembrava uma dor, cada dobra formada pelo tempo me recordava um sorriso dado. Se for para ter marcas no rosto, que seja de tanto sorrir, pensava comigo mesmo quando jovem. Passei os dedos no meu cabelo já branco, porém continuava com o mesmo comprimento dos meus dezessete anos. Meus olhos não tinham o mesmo brilho e meu corpo não era cheio de vitalidade como antes. Minhas mãos já trêmulas mal conseguiam segurar a caixa empoeirada de parafernálias. Retirei de lá uma foto do colegial na qual eu estava com um sorriso largo no meio de várias pessoas. E eu me recordo do nome de cada um deles. Mas eles já não fazem mais parte do meu dia-a-dia. Engraçado como cada vida toma um rumo diferente, somos feitos de sonhos e cada um possuí um diferente no qual só o dono do sonho conseguirá lutar para conseguir. Já parou para pensar que só você pode lutar por ele?

 Retirei uma presilha que ganhara de minha vó quando fiz meus tão esperados dezoito anos. Achei até um texto antigo que escrevi no último dia de aula de como sentiria falta daquilo tudo. Poderia escrever novamente e caberia as mesmas palavras, porém agora regadas com lágrimas. E por último, bem no fundo da caixa achei uma carta já amarelada devido ao tempo. Abri com todo o coitado do mundo, sem deixar o Parkinson estragar aquele momento. A carta estava inundada de palavras escritas com aquelas canetas-tinteiro antigas que borravam tudo, algumas palavras quase não conseguia distinguir. E no canto direito uma foto 3x4 de um moço bonito, trajado com roupas formais e com uma gravata borboleta bem colocada. Infelizmente a foto era preto e branco. O pior de tudo é que só tenho esta foto, e nunca ninguém saberá como eram os olhos azuis dele. Mesmo que eu tente explicar que parecia o céu azul límpido, que parecia o mar numa plena calmaria num dia de verão, jamais entenderão com exatidão como eles eram bonitos. Que belo par de olhos ele tinha. Tão bonitos para terem se fechados para a eternidade. E eles só permanecem abertos na minha memória.

A carta era uma despedida e trassava a personalidade confusa dele. Lembro que no dia que recebi a carta era dia 24 de agosto de 1954, as ruas carregadas de multidões devido as eleições e quem se tornara presidente do Brasil foi Café Filho. Cada detalhe daquela última carta carrego no peito junto com a lembrança dele.

'' - Cristina




sexta-feira, 30 de maio de 2014

Lembranças

             
Hoje me veio a lembrança de você chacoalhando o molho de chaves no ar, então o muro que impedia as lembranças de nós dois desmoronou, e o tilintar das chaves ecoou no meu ouvido. Bastou uma lembrança para que todas invadissem minha mente. Olha só, agora estou aqui me afligindo com memórias que já deviam ter sido apagadas. Nenhum borracha é capaz de apagar lembranças.

 Quando você colocou uma mecha do meu cabelo solta atrás da minha orelha e me fitou nos olhos, naquele momento percebi que te amava.  O amor vai se desenvolvendo, mas sempre terá um dia, um lugar, um momento, que você terá certeza que é amor. E eu tive certeza naquele dia. Lembro-me de quando disse que te amava pela primeira vez e sua expressão ficou vazia como um papel em branco sem vestígio de palavra, apenas me olhou e naquele momento tive medo. Medo de não ser correspondida. Mas então você se aproximou e sussurrou bem baixinho as mesmas palavras.

  Tenho lembranças nítidas de você, como se fossem fotografias impressas na minha mente. Quando estava com o braço cruzado sobre o tórax, olhando para mim com o maxilar rígido esperando uma resposta. Ah! Como eu gostaria de voltar no tempo e te responder com todas as palavras, as mais belas que existem, o quanto eu adorava ver você assim.

   10 de março. O céu azul límpido com a luminosidade do entardecer e sua obliquidade senciente, com certeza foi o dia mais bonito. Você me esperando perto daquela loja de móveis lotada de gente, mesmo me perdendo em meio ao borbotão de pessoas, fitava você com os olhos porque sabia que aqueles olhos iam me guiar para sempre. Quem diria que esses mesmos olhos iam se perder no horizonte , me deixando tão perdida em meio à perguntas incessantes. Quem diria que você ia se misturar com aquele aglomerado de pessoas confusas e partiria ao ponto de não conseguir nem distinguir sua camisa.

   E começamos de novo. Começaria de novo milhares de vezes só para ter o gosto de conseguir o que tanto queria. Tem certas pessoas que são como catracas de ônibus estragadas; passam no momento que quiserem, sem se preocupar com o valor que irá deixar. Lembro das vezes que me olhava no espelho naquele tempo e meus olhos chamuscam felicidade. Era tão obvio, o motivo de tanta felicidade era sempre você. Vice-versa. A vitalidade transbordava de você, e só você, tinha aquele sorriso inebriando que se curvava no rosto à cada palavra que fugia da minha boca.

Tento esquecer, mas sou uma lembrança assídua do que aconteceu. E procuro em outro alguém, o alguém que você era.

sábado, 24 de maio de 2014

(inspiração: gone, gone, gone - Phillip Phillips )
                                               
Me pergunto se você faria o mesmo por mim, me amaria como se não houvesse amanhã, me abraçaria forte todos os dias e estaria na minha porta hoje a noite mesmo que o mundo tivesse me abandonado esta manhã.

Você estará na minha porta hoje a noite?
E mesmo que o sol se apague lá em cima, você ainda iluminaria meu mundo?
E mesmo que eu não pudesse mais ouvir, você cantaria para mim? Porque eu adoro vê-lo cantando.
E mesmo que eu não consiga mais ver nada, você seguraria minha mão e me guiaria pela estrada longa da vida?
E mesmo que os inimigos me tragam agoniá, você me levaria para à paz?
Você me levaria para a paz hoje a noite?
E mesmo que eu não suporte mais tanto sofrimento, você compartilharia comigo suas alegrias?
Dê-me razões para acreditar que você faria isso tudo.
Dê-me razões para acreditar que vai valer a pena.
Me amaria mesmo se eu partir amanhã de tarde?
Lutaria por mim, mesmo que já sem forças?
E mesmo que eu caía, você vai estar lá embaixo para me segurar?
E mesmo que a esperança esteja por um fio, você irá suportar?
Você irá suportar?
E se minha vida estiver vazia, prometa que irá preenche-la com seu amor?
Rendo-me as dúvidas.
Me faça acreditar que faria isso por mim.
E mesmo que eu já não consiga ficar em pé, você dançaria comigo todas as noites?
E mesmo que as rugas apareçam em meu rosto, você se lembrará dos motivos por ter se apaixonado por mim?
E se eu não tiver mais forças para escrever meus versos, você me ajudará a preencher o vazio das folhas?
Você me ajudaria?
Baby, eu faria o mesmo por você.

                                              

Projeto Inspiradores: Você e eu

(inspirado em: 19 you + me - Dan + Shay  )
             
Foi a nossa primeira semana
Primeira e última
Onde tudo começou

Dia qualquer de inverno
17º lá fora
Nossos corpos juntos talvez chegasse a muito mais.
Você estava quente e aqueceu meu corpo frio.
Me cobriu com teu calor
E também com seu amor.

E nem o vento gelado conseguia apagar aquilo que surgia cada vez mais intenso.
Me embebedando com o doce do teu beijo
Seu casaco listrado se destacava na escuridão
Como eu poderia esquecer?

Assistindo os teus olhos azuis brilhando feito estrela na escuridão do meu mundo,
Para cada música que eu ouvia,
você se encaixava perfeitamente em cada uma delas.
Eu ainda posso ouvir o som do vento batendo na copa das árvores
Gosto dos sorrisos que demos
Menos a despedida no final
Era tudo que queríamos
4 de julho, você e eu.

Para cada música que eu ouvia,
Você era o refrão,
Tão bonito.

Até a lua brilhava mais intensamente, rastejando pelo céu imenso nos seguindo,
E então eu sabia o que você estava pensando,
Então você olhou pra mim e contou suas histórias malucas.
Gosto dos dedos entrelaçados,
Menos a hora de soltá-los,
Era tudo que queríamos,
4 de julho, você e eu.

Primeira semana, bosque gélido, você e eu.
                                                

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Projeto inspiradores: Eu sei

(como inspiração: when a heart breaks- Ben rector)
               
Eu sei como é difícil garota. Foi tanta confiança depositada em alguém que só soube brincar contigo, não é?
Eu sei.
Eu sei como dói, não só fisicamente —  parece que seu coração vai se atrofiando — mas psicologicamente, parece que todas as estruturas caem, todo o muro de proteção, toda a redoma que te protegia de decepções, simplesmente desaba. E olha agora, você está desprotegida e tão vulnerável que é inevitável a dor não escorrer pelo olhos.
Eu sei que você vai encharcar seu travesseiro na hora de dormir, também sei o quanto você sorriu hoje de manhã para não preocupar as pessoas  — ou seria para não te questionarem?
Eu sei que vai perder horas e horas olhando as coisas antigas e desejando tê-las de volta.
Eu sei o quão irritante é ficar cercada de perguntas — não somente dos outros mas suas também.
Eu sei que vai querer escrever por todos os cantos o que sente, pois sei que isso te faz bem.
Eu sei o que é olhar para o céu e com os olhos marejados pedir ajudar.
Eu sei o que é pedir em todas as orações que tudo termine bem.
Eu sei que as coisas agora perdem o sentido e parece que tudo foi perdido no tempo.
Eu sei que tudo vai te fazer lembrar dele.
Eu sei que você se martiriza pensando se no fundo, ele ainda sente alguma coisa. Mas garota, será que um dia ele sentiu?
Eu sei que você vai procurar em outros o que havia nele; aquele par de olhos lindos, sorriso sinuoso, cabelo desgrenhado e uma bela voz que acalma tempestades.
Eu sei que você terminou algo que mal havia começado, sei que dói pensar que podia ter sido perfeito.
Eu sei que você pensava e até teimava que ia ser eterno, mas garota, lá no fundo você sabia que não ia ser.
Eu sei que agora você arranca as fotos de vocês dois do seu mural na parede como se isso fosse amenizar um pouco da dor.
Eu sei que você não consegue sentir raiva dele enquanto todos a sua volta o odeiam por ele ter quebrado seu coração, mas é assim mesmo, quando se ama a gente fica cego. Eu sei.
Eu sei que você não quer se desapegar, não quer apagar o histórico, excluir as fotos e muito menos esquecer.
Eu sei que vai sentir falta das tardes juntos no sofá num dia chuvoso qualquer, assistindo um filme no qual nem sabiam o nome porque nem prestaram atenção, só queriam rir das bobagens que falavam.
Eu sei que mesmo sendo algo corriqueiro que acontece com todos os corações partidos, você se sente perdido em meio à isso.
Eu sei que parece complicado — na realidade é mais que isso — mas é inadiável este procedimento de esquecimento.
Eu sei que você vai evitar novos amores, se blindar de um sentimento ameno porque vai achar tudo funesto e terá medo de passar por isso de novo.
Eu sei que trancou seu pobre coração à sete chaves e ainda jogou fora seis dela e deixou a última para ele, porque só ele pode entrar.
Eu sei que você vai continuar frequentando os mesmo lugares na incerteza de encontrá-lo novamente e por destino retomar o que eram antes.
Eu sei que dói menina, mas acredite, eu também sei que passa.

                                                                          
                                                      


Projeto inspiradores

Olá leitores, como estão?
Hoje vim trazer uma novidade para o blog no qual vocês também podem participar.
Na realidade sei que poucos leem aqui, mas resolvi contar sobre o projeto antes de comecâ-lo para os poucos leitores saberem do que se trata.

É o seguinte: ultimamente andei com uma falta de criatividade, o que todos chamam de ''bloqueio criativo'', então estava no myspace (sim, myspace) , ouvindo uma música folk e tive uma ideia.
Criar um texto a partir de uma música. Ouvindo-a a criando o texto, lendo a letra e utilizando como base.
Algum tempo atrás participei de um concurso desse gênero em uma conta do instagram (muito boa inclusive) e fiquei em segundo lugar com um texto que eu usei diversas vezes, até em trabalho escolar acredita? Então eu pensei, ''poxa, música trás paz, leveza, lembranças, alegria e inspiração, porque não usá-la ao nosso favor?''

Então é isso, vou criar uma página só para isso com contato para mandar suas produções com o link da música.
  Beijos.


quinta-feira, 22 de maio de 2014

Decepção

               
    Hoje presenciei um fato no qual eu temo e em todos os textos eu revelo odiar isto. Coração partido. Já tive o coração quebrado, colado, pisado, ajuntado em pedaços e agora está flutuando na espera de alguém que seja capaz de alcança-lo. Não digo que isso vá ser fácil, ele está flutuando bem alto, digo isso porque normalmente deixei ele baixo e o primeiro que chegava já tinha a oportunidade de tê-lo. Por isso tomei a precaução de colocá-lo longe de mãos cruéis e sentimentos falsos. O coração partido me tornou uma pessoa céptica e isso é bom nos dias de hoje, mas nem tanto em relação ao amor. Não dá pra duvidar em tudo, amar é como colocar uma venda no olho e confiar cegamente na pessoa. É a realidade, no amor precisa ter confiança. Amar é como um buraco tampado com folhas, você vai dar o passo e terá sorte se não afundar, se embaixo da folha for algo sólido, isso vai dar continuidade, mas se embaixo das folhas for algo vazio, se afundar é inevitável. Isso se assemelha ao amor, pra dar certo precisa ser sólido, ter confiança pra dar os passos e seguir em frente. Caso contrário, se tiver apenas um vazio, se tudo for falso, você estará à deriva dos sentimentos.
   

   Mas voltando ao assunto, tive o azar de presenciar o que nunca descrevi em meus textos. O falso. Uma pessoa próxima a mim terminou um relacionamento — não foi muito duradouro — e agora a única coisa que assombra a vida dela é a possibilidade de não voltarem Porém quando fomos conversar com o garoto perguntamos o porquê de ele dizer que amava ela e terminar por uma bobagem. As respostas dele foram tão curtas — na verdade um tanto quanto infantil. E então ele disse '' eu dizia por dizer.''


    Isso não era para me causar tanto espanto, aliás eu moro em um lugar que atualmente não se valoriza mais nada. Mas eu nunca ouvi isso — nem quando tive meu coração partido — e então foi um choque de realidade. Existe pessoas falsas mesmo. A gente diz, posta, compartilha e comenta sobre a falsidade, mas presenciar é tão difícil. Contar foi o pior. Eu te amo devia ser uma palavra proibida para os que não sentem de verdade, não seria tudo mais fácil? Olha quantos corações estariam inteiros.
  O fato é: todos estamos vulneráveis a ter decepções. 

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Quero.

               
Quero mergulhar no oceano dos teus olhos.
Quero me perder em meio aos teus sorrisos.
Quero enlouquecer com teu beijo a noite.
Quero apreciar a sua voz de dia.
Quero me encaixar no teu abraço.
Quero entrelaçar meus dedos no teu.
Quero nossas risadas juntas em perfeita sincronia.
Quero rir das suas loucas manias.
Quero andar descalço ao seu lado na areia quentinha em qualquer dia de verão e nossas pegadas marcadas irão ficar ali, até a maré subir e levar com ela nossos passos, que tornam-se eternos no mar.
Quero ao teu lado, por todos os cantos do mundo, contigo viajar.
Quero enroscar meu braço no seu e juntos, andar até o altar.
Quero ver as rugas se formarem em nossos rostos
Quero brincar com a diferença dos nossos gostos.
Quero a luz do sol cintilando em nossas faces numa manhã qualquer de julho.
Quero contigo ter filhos e sentir imenso orgulho.
Só quero que contigo, não tenha fim.
E quero que continue assim.
Quero viver só pra querer; te ter e nunca te perder.

Escrever é uma saída

              
   Algumas vezes se perdemos em uma rua em busca de algum local, indo na direção errada, virando uma esquina qualquer, naquela incerteza maldita que nos cerca. Mas mesmo perdido você encontra alguém que diz a direção certa a ser tomada, e finalmente, consegue chegar ao local esperado — mesmo atrasado.
 A vida é assim, não tem manual, não tem placas sinalizadoras e raramente, há pessoas que te guiam. Mas todos nós buscamos um guia universal, uma fonte de inspiração, um lugar que nos traga paz ou até mesmo, algo que nos faça bem para poder então seguir em frente. Deus é nosso guia, e o resto depende de cada um.


    E mesmo por vezes se perdendo no enredo enigmático da vida, eu percebo que a saída está na escrita. É um desabafo complexo, um desnudar de sentimentos, um despejo de dor em uma folha. A escrita com emoção é como banhar uma folha com lágrimas, beijos e abraços, transformar o texto em algo completo. E eu uso o vazio que existe em mim para preencher o vazio de uma folha. De certa forma, nossos vazios se completam de um modo perplexo, esquisito e por vezes, se torna um encaixe perfeito para uma situação tão complicada. 


    O ruim da escrita é que mesmo entornando os sentimentos na folha, ele nunca vai acabar. Ele só vai se tornar mais forte durante à escrita e depois da leitura. É incrível como escrever nos faz pensar mais sobre as coisas de um modo tão profundo que começamos a ver pontos negativos naquilo que só achávamos positivo. E mesmo sem um futuro promissor neste ramo, escrevo pra desabafar, pra por pra fora o que me martiriza, o que me torna escrava de um sentimento tão puro. Trago comigo textos e frases que sei que vou levar como lição à cada dia, não só pra mim, mas pra você.
 Escrever é a minha saída e sua?

sábado, 17 de maio de 2014

O vento leva com ele tempos passados

            
   Hoje resolvi olhar tudo aquilo que passou. Passou no tempo, mas não para mim. Ainda permanece aqui, tão quieto e sossegado. Vi novamente aquela foto com um sorriso largo com meus mais puros nove anos de idade. Vi aquela publicação em uma rede social de mim mesma manifestando minha fúria contra o amor. Quinze anos e já sofria por amor. Devia ser proibido sentir isso nesta idade, não é justo ter o coração partido tão jovem. Não é justo ter o coração partido em qualquer idade.
   Me deparei com meu diário antigo, já com as folhas amareladas e todo empoeirado. Abri bem no meio — pois já sabia o que encontraria ali — na folha que se destacava por ser a única solta. Junto com tantas palavras, datas e recordações, bem no topo colado — já meio rasurada  — uma foto sua. Comecei a folhear cada vez mais depressa e só tinha textos sobre você. Era sobre você, sobre nós, em cada folha e assim terminou aquele diário.

   E eu percebi que depois que você chegou; e então  marcou o meio do meu diário e o inteiro da minha vida, toda a minha escrita se modificou e se modelou inteiramente em você. E isso é péssimo. Péssimo porque só sei escrever sobre isso. Eu não consigo escrever um único texto sem pensar em você. Se eu não pensar em você, vai ficar apenas um vazio na tela, na folha apenas as linhas e a mente tenta procurar algo novo pra contar. Mas é impossível. As coisas parecem que perdem o sentido quando procuro escrever sobre algo diferente. Percebi que o sentido se perdeu quando me dei conta de tão distante você já está. Foi se distanciando cada vez mais e eu nem reparei, estava ocupada demais colocando  você em todos os textos que eu escrevia. Pobre menina, que sufocava as palavras durante o dia e as deixava voar e pousar em textos durante a noite. Pobre sentimento, que como palavras, foram jogados ao vento e perdidos no tempo. Fiquei me martirizando em todos os textos antigos e agora re-leio e sinto o mesmo. Quero parar de ser uma céptica — e olha que isso é para ser bom nos dias de hoje —  duvidar de tudo me causa problemas. 

   Te por nos papéis foi o jeito mais fácil que encontrei de manter vivo o que havia morrido à tanto tempo. Te descrever em tudo foi a forma menos dolorosa de sentir tua ausência, e tornei tua presença frequente à cada palavra.

sábado, 3 de maio de 2014

Eu gosto de você

              
Eu lembro que vez ou outro você me perguntava o motivo pelo qual eu me apaixonei por você. Não tinha uma vez sequer —  que estávamos juntos — que você não perguntava se eu gostava de ti. Eu sempre respondia com um balançar de cabeça tímido, e aquele fio que vivia preso atrás da minha orelha escapava, então você se aproximava de mim e colocava ele preso novamente atrás da minha orelha. Conseguia sentir sua respiração de tão perto que estava e então você sussurrava ''eu também gosto de você''. E você me dava o prazer de provar aquele teu beijo que terminava sempre com um sorriso e nossas testas juntas. Eu adorava quando você perguntava se eu gostava de você, era uma sensação tão boa poder confirmar isso olhando nos teus olhos azuis. E vez ou outra, em meio a essas suas perguntas frequentes, você perguntava o motivo. Parecia que não se conformava com o fato de ter alguém apaixonado por você. Porém, de certa forma, eu amava tudo.  Eu lembro que uma vez você me perguntou:

'' Por que você gosta de mim?''

 Só dia desses que topei sua falta, que o teu cheiro apareceu junto com uma rajada de vento, que teu rosto invadiu um dos meus sonhos, que a lembrança de nós dois começou a torturar minha mente que eu fui, finalmente, descobrir o porquê de tanto sentimento por você.
 Naquele fim de tarde — naquela semana que eu titulei como a melhor da minha vida —  ,  você estava com sua cabeça repousava sobre uma almofada posta em cima da minha perna. Adorava te ver por esse ângulo, ver você me olhando de cima e seu sorriso na vertical. Deus, isso era tão bonito. Você fez essa pergunta e a respondi sem pensar.

'' Tem certas coisas que não dá pra explicar.''

Mas você não se contentou  — você sabia que eu não era boa com palavras. Lembro que até se debateu em cima do sofá e riu. Você queria uma resposta, queria um motivo pelo qual as pessoas pudessem realmente sentir algo por você. Eu sei. E essa pergunta nunca foi respondida, tudo acabou e ela continuou vaga no ar, sem resposta.

 Agora posso dizer convicta o motivo pelo qual eu me apaixonei por você. Não foi apenas teu olhos azuis encantadores — que eu adorava ver diante da luz do sol — que me fizeram te notar.Nem foi seu sorriso lascivo —  que se formava radiante quando eu estava com vergonha — que me fizeram gostar de você. Não foi o fato de você entrelaçar seu dedos no meu que me fizeram eu te amar. Céus, eu adorava quando você fazia isso. Muito menos foi teus beijos que deixaram loucamente apaixonada. Aliás, eu gostava de você antes mesmo de prová-los, não é?

Mas o que me fez gostar de você é muito mais complexo que isso —  claro que tudo isso faz parte do pacote. O que me fez gostar de você, foi o fato de você, ser você.

 Eu me apaixonei por sua atitude, me apaixonei pelo teu jeito de agir, me apaixonei por cada palavra dita, me apaixonei não apenas por sua voz, mas como as palavras soavam vindas de você. Não adorava apenas teus abraços, mas o jeito que eu me encaixa perfeitamente no teu peito. Não adorava apenas nossas mãos juntas, mas sim, o jeito que elas ficavam bonitas coladas uma na outra. Não me apaixonei apenas por teu beijo, mas pelo modo como você tirava o cabelo do meu rosto e sorria em meio a cada beijo. Me apaixonei pelo conjunto todo. Me apaixonei pelo principal fato de que você era diferente. Me apaixonei mais ainda quando notei que tudo entre a gente resultava em algo totalmente estranho e inusitado. Nós éramos estranhos. Mas éramos normais um pro outro. Eu posso dizer, agora com perfeita convicção, que eu amei você. O pacote que faz você, ser você.

 Entenda, aquilo era tudo novo pra mim. Eu não sabia como agir. Não sabia como lidar com suas perguntas e muito menos como respondê-las. Eu não sei o que você fez comigo, só sei que tenho a impressão de que posso suportar perder tudo, menos você. O problema é que você me deixava confusa, as pessoas em nossa volta complicavam isso.E você só servia para bagunçar tudo aqui dentro de mim. Você causou o que ninguém conseguiu causar, você me fez sentir o que ninguém nem ousou  tentar conseguir. E incrível, você é o único que tem a capacidade de me destruir e de mudar meu dia pra pior. Mas meu bem, você também é o único que consegue me fazer feliz de uma forma verdadeira. Eu odeio depender de você.

 Eu nunca precisei tanto de alguém como preciso de você, nunca quis ver um sorriso como eu quero ver o seu, nunca quis provar um beijo com quero provar o seu. Novamente e pra sempre.  O problema é que eu ficava perdida em meio aos sentimentos que brotavam a cada dia, não conseguia dizer o que precisava ser dito, não conseguia demonstrar o inevitável. O problema é que eu parecia uma criança inofensiva, inocente e frágil perto de você, porque no fundo, eu não queria me magoar, não queria entregar à você esse poder. Eu previa te perder.

 Eu e você complicamos a coisa mais fácil do mundo. O amor. E você me fez sufocar palavras que tentaram fugir e por fim, estão fugindo pouco à pouco nesse texto. Você faz eu querer trancar meu coração à sete chaves. Você colocou uma porta grande e impermeável diante dos meus sentimentos. Você faz eu evitar que qualquer pessoa entre, você faz eu me repelir até de tentar por vez, abrir esta porta.  porque só você tem a chave pra entrar. Só você. E se você perdê-la, por favor pule a janela. Porque eu adoraria ter meu coração invadido por você novamente.

Eu te vi no ônibus

        
   Eu estava sozinha quando te vi pela primeira vez. Não sozinha no sentido de não estar acompanhada naquele momento. Sozinha. No sentido de estar vazia, de estar num aglomerado de pessoas e se sentir invisível. Sozinha nesse sentido. 


   Você foi quem causou aquela parada brusca do ônibus, me inclinei para ver você abanando para o ônibus parar. Estava prestes a chover e era exatamente 18:15 de uma terça-feira. Era o pior dia possível, as nuvens sobrecarregadas de água e o céu se transformara numa completa escuridão. Então você entrou naquele ônibus e atravessou a catraca se segurando nas barras de metal fixas no teto daquele transporte público lotado. Foi então que eu percebi que todo o azul do céu estava nos seus olhos, todo o brilho das estrelas estava estampado naquele olhar lascivo. A curva mais linda e graciosa simplesmente esculpida no seu rosto, e todas as olhadas de relance foram suficientes para notar o quão bonito você era

  Tentei focar toda minha atenção na revista que estava lendo, até me perdi em meio a crônica de uma jornalista.  Você sentou do meu lado e ficou cada vez mais difícil prestar atenção no texto quando as curvas das ruas o vaziam encostar em mim. A primeira coisa que consegui ver pelo canto dos meus olhos foram seus joelhos e a sua calça jeans clara. Depois seu tênis all star branco surrado. Você cheirava à um perfume barato enjoado e muito doce. Seu perfume até me causou dor de cabeça, mas quem liga pra dor de cabeça quando você estava do meu lado. Não sou uma investigadora da vida, mas sem sombras de dúvidas você era um cara complicado de se entender e seu semblante mostrava o quão difícil foi seu dia.  Presumi que você estivesse voltando para casa depois de um dia exausto. 

  Mas então seu celular tocou, o som de uma banda de rock começou a sair dos alto-falantes. Descobri mais uma coisa sobre você em apenas dois minutos. Você começou a dizer que estava quase chegando,  que o tempo estava péssimo e era para a pessoa do outro lado da linha a esperar no ponto com um guarda-chuva grande. Deus, como sua voz era bonita. Suspeitei que você estivesse conversando com a sua namorada e provavelmente iria visitá-la em casa agora. De certa forma, fiquei frustrada pois estava adorando o fato de querer flertar com um total desconhecido. Não costumava pensar assim, então estava apreciando essa nova ideia. Pelo menos na minha cabeça. Céus, isso é tão idiota.

 De repente uma senhora já de meia idade, vestindo um sobretudo preto, seu pescoço enrolado em um cachecol da mesma cor, perguntou: 
— Você sabe se esse ônibus para perto do mercado Campos? — ela disse olhando apenas para mim.
— Não sei. — tentei responder da forma mais gentil possível. Talvez até minha sobrancelhas de juntaram em sinal de desculpas.
— Não sabe de nada. — ela retrucou ríspida e cautelosamente foi para a parte de trás do ônibus.
Percebo um calor se concentrando nas minhas bochechas. Estava totalmente vermelha — e constrangida.

Então você disse as seguintes palavras ''Até mais mãe''. E a hipótese de você ter uma namorada, acabou — e isso foi bom.
— Você não tem culpa de não saber. — e foram as primeiras palavras que você dirigiu diretamente a mim.
 Balancei a cabeça e contrai os lábios para que você compreendesse que eu concordava com isso. Não consegui nem olhar pra você. Isso não é flertar, pensei comigo mesma. E meu subconsciente começou a rir de mim.
 Até perdi a contas de quantas vezes coloquei aquela mecha de cabelo atrás da minha orelha, porque ela caia sobre meu rosto a cada freada e curva.  Fiquei imaginando se você também pensava alguma coisa e se sua cabeça estava fervilhando pensamentos aturdidos. Ou se era só eu, que pensava demais quando encostava a cabeça na janela do ônibus.
  
 E de repente minha mente foi invadida com milhares de pensamentos paranoicos. Você poderia me achar uma louca por mexer no cabelo a cada segundo ou por não virar a página da revista desde que você sentou ao meu lado. Poderia me achar uma louca por tamborilar com o polegar na perna. Ou simplesmente, poderia não estar prestando atenção em nada.
 Eu não sei porque, mas minhas melhores ideias surgem dentro do ônibus. E naquele instante estava imaginando a ideia de uma romance começar ali. Fiquei imaginando nós dois em um sábado a noite assistindo um filme de comédia romântica. Isso é tão ridículo. Me distraí imaginando um futuro que perdi você de vista quando o ônibus parou. Todos se empurrando para sair e então você saiu naquele terminal, se misturou a multidão e eu mal conseguia distinguir seu casaco.

 Aquela foi a primeira vez que a gente se viu. Mas especificamente que eu te vi. E até então achei que fosse a última. Era um quatro de julho de 2013, estava tão frio. Foi o dia que fiz uma prova de química e recebi a nota no mesmo momento. Nota seis para variar. Você vestia um casaco cinza listrado com toca atrás, seu cabelo era tão clarinho, mas com a luz amarelada daquele ônibus eles pareciam fios dourados cintilando. Meus cabelos estavam amarrados, mas vários fios soltos caiam sobre meu rosto — nessa época eu não soltava o cabelo por nada. Não tinha um dia sequer que eles ficassem soltos, a não ser, na hora de dormir. Eles eram uma mistura estranha de liso, ondulado e enrolado. 
  Você sumiu. 
  E eu me apaixonei por aquele dia. Não exatamente por você. Mas por aquele dia. Por aquela sensação.


  Era um dia qualquer na escola, estava sem aula e fiquei no pátio conversando com meus amigos.
  Eu olhei e logo reconheci.
  Definitivamente não era um dia qualquer.
  Você me encarou enquanto saia de uma das salas — o aluno novo que eu já conhecia, não tão bem quanto eu gostaria. Você se aproximou e sorriu. Sentou do lado do meu amigo e o cumprimentou    tínhamos um amigo em comum, se soubesse disso teria te procurado. Ficou diante de mim com aqueles olhos azuis. Fiquei contemplando você enquanto cochichava algo para ele. Então disse bem baixinho que nunca havia visto uma garota tão linda assim antes. 
 E então você murmurou para mim, olhando fixamente nos meus olhos:
— Prefiro você de cabelos soltos.
Você já havia me visto.
Apenas sorri.
                                                                                   

sexta-feira, 2 de maio de 2014

O paradoxo do moderno

               .

 Minha visão do mundo é complexa e antiquada. Sou uma romantista paradoxa do mundo moderno. Acredito em coisas que ninguém mais nem imagina existir. Sou feita de sonhos e de incalculáveis desejos que mais ninguém valoriza. Me sinto como uma anciã perdida pelas ruas agitadas da cidade grande. Me sinto totalmente retrógrada, me oponho as ideias atuais, vivo contradizendo o que dizem à respeito do amor e sem sombra de dúvida, sou o oposto do que estamos acostumados a ver.

 É incrível como os fracos são influenciados por pensamentos pessimistas e errôneos. Como os fracos são desprovidos de personalidade e são indistinguível um do outro. Sempre seguem as regras do atual, sem experimentar o antigo. Como os fracos possuem uma mente fechada, como se fossem circundados por uma redoma que afligisse os sonhos. Os fracos são como pássaros presos em uma gaiola, mas com brechas grandes o suficiente para poderem bater suas asas e voarem para o mais longe possível, mas não fazem isso, pois então conformados com o que tem e acostumados com o que são.

Sou uma imprudente dos dias atuais, não sigo a lei do amor moderno. O mundo está cheio de pessoas inexperientes querendo ser os senhores da razão, dando palpites errôneos, criando falsas expectativas e iludindo os poucos que acreditando no verdadeiro amor.

 Me pergunto como pode existir pessoas que magoam esses coração crentes no amor. Me pergunto se a minha espécie — a excepcional irá um dia ser extinta. Se meus conceitos serão esquecidos. Se minhas metas já não fazerem parte do atual. Se minha concepção será abolida e se todos os meus sonhos, forem apenas sonhos.

Mas como dizem:

O Tempo é o Senhor da Razão

                                                                       

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Defeitos.



              .

 As vezes me sinto em uma bolha que aprisiona tudo o que sinto. Me sinto circundada por uma redoma que encadeia meus sonhos. Me sinto rodeada por grades que não deixam meus pensamentos voarem e pousaram naqueles que acreditam. Me sinto tão sozinha em meio a esse borbotão de pessoas, me sinto solitária no meio desse aglomerado de gente que está ocupado demais com seus problemas.

Todo as pessoas tem defeitos, o segredo é lidar com eles e encontrar alguém que os aceite.

  Pessoas perseguidas pela penumbra da dúvida que se aliciam por falsas promessas de amor. Pessoas perdidas no enredo da sua própria história. Pessoas à procura do caminho da felicidade, mas na realidade, estão dando voltas na estrada da vida. E eu aqui, olhando tudo discretamente, tendo minhas próprias opiniões através da minha concepção. Mas, meu amigo, eu sou tão cheia de defeitos. E não há nenhum defeito pior, do que encontrar defeito no outro.

Os defeitos sãos os frutos do pecado. É o brinde que ganhamos ao longo da vida e que alimentamos sem perceber. Pobre aquele, que aponta defeito no perfeito e não percebe o quão imperfeito é. Os defeitos são feitos de desastres, de tropeços e de mentiras.

Amar alguém pelas qualidades é fácil, difícil é amar sabendo dos seus defeitos.
 Mas cola em mim, que eu te aceito com esse teu jeito, vamos transbordar defeitos e deixa que o amor encobre o imperfeito.

                                                                               

O que é ser feliz?

          .

  Felicidade. Todos querem ter mas poucos sabem como encontrá-la.
  Você sabe aonde encontrar a felicidade?
  Eu sei.
  A felicidade se encontra no abraço acolhedor da sua mãe. A felicidade está naqueles três beijinhos que sua vó sempre te dá. A felicidade está em sorrir para outra pessoa e ela sorrir de volta sem hesitar. A felicidade está naquele novo episódio da sua série favorita. A felicidade está naqueles dias de risadas despretensiosas. A felicidade está em admirar as ondas do mar na areia quentinha de um dia qualquer de janeiro. A felicidade está em olhar pro céu e apreciar aqueles pontinhos brilhosos, aqueles estrelas que chamejam sem medo. A felicidade está em ganhar um presente em um dia qualquer. A felicidade está no beijo quente do seu amor. A felicidade está lá quando sua mão entrelaça na dele. A felicidade está em poder dormir até mais tarde. A felicidade se esbarra naqueles dias frios, com um chocolate quente e o barulho da chuva como principal trilha sonora daquele dia. A felicidade está em tirar uma nota alta naquele prova que você tanto estudou. A felicidade está em ouvir uma música e sentir na alma o que ela diz. A felicidade está em viver a vida, apreciando os pequenos detalhes.
                                                                        

segunda-feira, 28 de abril de 2014

''A metáfora da felicidade''

             
 Ao longo dos meus 17 anos de experiência de vida, criei uma metáfora — e metáfora entendemos como uma comparação sem uso conectivo — uma metáfora complexa e de sentido figurado.

 A minha metáfora se consiste em um jardim extenso, com uma única planta no meio desta imensidão de terra. Existe também as árvores, umas baixas e cheias de frutos e outras esguias e secas. O solo terá relevos, talvez até depressões profundas, e algumas vezes será uma planície sem desnível ou declive. O céu dependerá de cada dia; em alguns dias, eles estará nublado, já em outros estarão completamente mesclados de rosa com azul, mas, meu amigo, vai ter dias que o céu estará escuro e pronto para surgir raios luminosos que irão cortar o céu acinzentado e então  — de forma súbita  —  o estrondo do relâmpago irá te acordar novamente.

Agora imagine comigo:

O jardim nada mais é; que a sua própria vida. As árvores personificam as pessoas à sua volta, umas são tão vazias de si e outras tão cheias de conceitos e bondade. O solo será como a sua linha do tempo, terá altos e baixos, como uma montanha-russa com tempo indeterminado para descer ou subir, por isso meu amigo, o tempo será seu melhor aliado. O céu simboliza o dia-a-dia, uns serão difíceis com rajadas de tristezas e outros serão parciais e calmos.

Mas... e a única planta?

A única planta que se localiza exatamente no meio do jardim, será a sua felicidade. Ela precisa ser cuidada e admirada, e nem os relevos da vida, as tempestades do dia-a-dia e a maldade das pessoas não serão capazes de afetar a sua felicidade. É como um análogo do texto do Paulo Coelho ''O segredo da felicidade'', alterando a frase para a minha metáfora:

''O segredo da felicidade está em olhar todas as maravilhas do mundo, e nunca se esquecer da planta do seu jardim''.

                                                                                
  

sábado, 1 de março de 2014

Porque o desinteresse em buscar conhecimento?

            
Hoje meu professor de sociologia fez uma pergunta, então eu pensei e repensei, e tentei tirar alguma conclusão: Por que o desinteresse em buscar conhecimento? Em aprender? Em estudar?

 Acabei pensando em mim, uma pessoa que lê com frequência,estuda antes das provas com assiduidade e que diariamente entra em sites escolares em busca de entendimento. Mas estudar antes de uma prova, ou durante o ano todo letivo não significa ''buscar conhecimento'', pensei comigo mesma. Muitos fazem isso por pura obrigação, pra chegar final do ano e o boletim com notas boas e a notícia de ter passado direto estarem em suas mãos. E dali em diante só curtir as férias.

 Toda a matéria, os textos lidos e o exercícios feitos são esquecidos, poucas coisas são lembradas no próximo ano letivo. E eu acabei pensando, será que não é a escola que oprime a busca do conhecimento?
 Creio eu que, com a pressão das provas, a realização de bons trabalhos, as decorebas e as cópias de livros, sem nenhuma sequer explicação seja a maior causa de desânimo na busca do conhecimento.
 De certa forma, não querendo generalizar, mas existe sim, professores não qualificados, que não estão ali para ensinar e mostrar os seus valores, mas que estão aqui somente como uma profissão para receber seu salário, sem se preocupar com o futuro daquele que ensina.

Existe muitos meios de buscar conhecimento e enriquecer nossa inteligência, por isso tudo que tem a ver com conhecimentos, estudo, leitura e aprendizagem deve ser utilizado. Como por exemplo livros, aqueles físicos que estão sendo basicamente abolidos no Brasil, tão difícil encontrar uma banca, uma biblioteca ou uma simples livraria, com preços enormes, dificultando os com rendas mais baixas a adquirirem tal produto.

 Decorar não é buscar conhecimento, tirar dez em uma prova não quer dizer que mostre a tua real inteligência, na verdade mostra o teu empenho e a tua atenção nas aulas. Buscar conhecimento requer apenas uma clareza, uma força de vontade que nasce com todos, que só precisa ser cultivada de uma forma que nunca acabe. Pesquisar em livros, é uma boa opção, tirar suas dúvidas através de um meio global que exerceu papel fundamental na globalização, a internet, nossa aliada, que nos ajuda em todos os momentos. Fazer pesquisas não somente aquelas obrigatórias e deixados como tarefas de casa, mas sim daquilo que você tem curiosidade em saber como surgiu e porquê aconteceu.

Estamos em tempos modernos, mas muitos ainda vivem repelindo os meios de comunicação, redes sociais e na tecnologia em si. A utilização de celulares em sala de aula, creio eu que seja uma forma de fazer o aluno prender a atenção naquilo que o professor explica. Mal sabe ele que o aluno só pensa na hora de sair e poder ligar o celular. Então por que não usar o celular como um aliado fundamental na hora da busca do conhecimento? Hoje com a rede 3G, com o wi-fi disponível em tantos lugares, uma simples dúvida em questão de segundos já está em mãos, um relatória gigante, um banco de dados infinitos, com sites confiáveis e cheios de informação.

Lembrando: Conhecimento nunca é demais.

Aqui vai um site cheio de curiosidades e na qual eu sempre frequento.
http://mundoestranho.abril.com.br/

sábado, 11 de janeiro de 2014

Quero você aqui. Para sempre.

              
Chegou o verão, o calor é tão grande, isso me lembra você. Lembra você porque eu me lembro daquele 4 de julho quando seu abraço me aqueceu daquele ar frígido de inverno tocando meu rosto, foram teus beijos que aqueciam todo o meu corpo e por um segundo eu me esqueci do frio que fazia naquela praça.
É engraçado como eu quero deixar bem claro que não há nem um vestígio de algum sentimento por você, as pessoas não podem imaginar que aqui dentro ele bate por ti ainda, que não existe um dia sequer que você não invadi minha mente. Se elas soubessem que todas as noites eu sonho com você, que estamos juntos e felizes, elas iriam me achar louca, mas eu estou lúcida.
Vejo você em todas as pessoas, o seu cabelo e o seus olhos são únicos mas eu quero e necessito vê-los ou então eu imagino eles em outra pessoa. É incrível minha capacidade de disfarçar o meu coração palpitando ao ouvir teu nome, o meu desinteresse conversando contigo, mas é tudo farsa, eu só não quero que você saiba que eu, no fundo, ainda preciso de você. Que eu sinto falta de você.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Não era você.

               

É que de alguma forma você causava um turbilhão de sensações dentro de mim,uma confusão incomparável.
É que em cada beijo,em cada toque,era mais uma dúvida que surgia.
É que eu não sabia o rumo,o caminho,o sentido e nem se era você que eu devia seguir em frente.
É que talvez não era você,não era a sua mão que eu devia segurar quando eu escolhesse o caminho certo.
É que não era contigo que eu iria passar uma tarde de sábado assistindo filmes.
É que não era você que iria dizer todo dia o quanto me amava.
É que não era você que ia me abraçar e ficar comigo nos momentos difíceis.
É que não era pra ser você.

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Quando tudo termina.

                               .

  Normalmente acontece isso,demora pra acontecer,dura pouco e termina do jeito mais cruel possível.Dizem por aí,que quando escrevemos se livramos do peso,talvez seja isso eu esteja fazendo,talvez.

 Eu te odeio e te amo ao mesmo tempo,durante todo esse tempo contigo,minha mente ficou tão confusa e agora acabou,acabou toda a confusão,os pensamentos.Deveria ficar feliz por isso,só deveria,porque não é o que eu faço,na verdade eu nunca fico feliz por nada.Eu espero tanto tempo pra acontecer,mas falho,falho porque sou humana,falho porque sou eu e acabo sempre perdendo tudo que é bom pra mim.

 Ouvi boatos que ele achava que eu não me importava,que eu era uma péssima namorada,talvez eu não ligasse todo dia,muito menos dizia ''eu te amo'' a cada instante,não se víamos ,não ficávamos juntos.Mas isso não era problema pra mim.Pra mim.Porque mesmo de longe,eu o amava,mesmo calada eu sentia.Eu só queria que ele entendesse o brilho dos meus olhos e decifrasse os meus sorrisos ao seu lado,porque pra mim isso valia mais que palavras.

 Na verdade pra ser sincera,eu nunca fui boa com palavras,nunca fui boa com relacionamentos e nunca demonstrei.Mas eu não te culpo meu amor,não te culpo porque nem eu mesma sabia que ia gostar tanto assim de você.Talvez eu duvidasse disso,mas agora terminou e ficou apenas um vazio,um grande vazio.

 Eu sou aquela garota que lê Nicholas Sparks,assiste filmes de romance,chora na frente da tela,escreve textos de amor,mantém um blog cheios de textos sentimentais,mas ela nunca viveu um amor de verdade.

Eu sei que tenho bastante tempo ainda e eu sei que vou errar milhares de vezes mas sempre vou superá-la todas.E é isso que eu vou fazer a partir de agora.